EMAGRECIMENTO&NUTROLOGIA

ANÁLISE GENÉTICA:

TRATAMENTO DA OBESIDADE
MELHORA DE PERFORMANCE ESPORTIVA
OTIMIZAR PERDA DE GORDURA E GANHO DE MASSA MAGRA

Sobrepeso e obesidade:

Os aspectos avaliados pela genética são muitos, e todos importantes: primeiramente
destaca-se a análise do metabolismo das proteínas, dos carboidratos e das gorduras. 

Sabemos que a reação individual aos alimentos não é igual, sendo que normalmente pessoas que tem o mesmo estilo de vida e se alimentam na mesma quantidade e qualidade apresentam reações muito diferentes: há os que engordam, os que mantém o peso e aqueles que emagrecem. 

A resposta esta no nosso código genético : a análise do DNA permitirá identificar a proporção personalizada entre proteínas, açúcares e gorduras, obtendo condutas mais assertivas e otimização dos resultados.

A investigação genética acopla informações do seu DNA com seus hábitos e preferências alimentares. Existem por exemplo, aqueles que podem se sentir melhor quando submetidos a um programa alimentar hipocalórico, perdendo peso com o tempo, o que não ocorreria se fossem submetidos a uma dieta mais restritiva a curto prazo, outros tem a tendência a acumular massa gorda, mas respondem muito bem a atividade física, tendendo à eliminá-la.

Todas estas informações são fundamentais para que estabeleça-se um programa alimentar verdadeiramente personalizado que permita, com amparo genético, a cada indivíduo a possibilidade de manter o peso ideal, no que diz respeito à saúde e bem estar.

Ganho de massa magra, perda de gordura e melhora no rendimento esportivo:

Existe uma parcela significativa de pacientes que não são obesos, tampouco se encontram com sobrepeso, no entanto, possuem dificuldade em queimar determinados acúmulos de gordura e de ganhar massa muscular.

Atualmente dispomos de tecnologia para analisar os dados genéticos e obter respostas mais harmônicas.

Avaliamos:

Predisposição para o tipo de esforço: o resultado do teste permite descobrir se nossa
estrutura muscular é orientada à uma força explosiva ou a uma força de resistência em relação à predominância das fibras vermelhas, fibras brancas ou fibras intermediárias.

Capacidade antioxidante: a atividade física produz constantemente radicais livres em excesso, cuja permanência no organismo retarda a recuperação e, portanto, compromete o rendimento esportivo. Esta analise permite identificar a capacidade individual de normatizar o estresse oxidativo.

Lipólise: 

Saber qual é o próprio limite de lipólise é importante para obter o máximo da
atividade física e eliminar gorduras em excesso. Com estes dados podemos otimizar o
treinamento sugerindo também estratégias alimentares mais oportunas.

Resposta inflamatória: quem pratica esporte se embate frequentemente em lesões e traumas musculares que podem ser mais ou menos graves. Conhecer o grau da resposta inflamatória do nosso organismo é importante para uma rápida e completa resolução da lesão.
Imagem
João da Silva
Dr Diogo Valli Anderle
CRM - SP 110404

Formado em Medicina em 2002
Residência médica na UNICAMP
Pós-graduado em Nutrologia
Atualização em Obesidade em Treating Obesity Harvard School
Título de especialista em neurocirurgia pela Sociedade Brasileira de Neurocirurgia (SBN)